Domingo, 24 de Outubro de 2021
86 99925-4705
Geral Piauí

Pesquisadores da Uespi desenvolvem membrana para cicatrização de feridas

A proposta é contemplada pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic)

14/10/2021 09h45
57
Por: Redação Fonte: Secom Piauí
Foto: Reprodução/Secom Piauí
Foto: Reprodução/Secom Piauí

Alunos do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) de em São Raimundo Nonato Uma estão desenvolvendo uma membrana capaz de cicatrizar feridas. A proposta é contemplada pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) e tem como objetivo avaliar a atividade antimicrobiana e assim comprovar a ação cicatrizante da fórmula.

A membrana começou a ser formulada em 2018, durante o doutorado da professora Solranny Cavalcante, docente do curso de Ciências Biológicas no campus Campus Prof. Ariston Dias Lima. O biomaterial é formado de Quitosana (produzida a partir da quitina encontrada em crustáceos), colágeno e 2,3-dihydrobenzofuran (substância extraída da própolis).

“Esse é um projeto muito promissor, pois a membrana pode ser de grande ajuda como agente antimicrobiano e também na cicatrização de feridas, além de ser um biomaterial de baixo custo”, destacou Isabela Viana, bolsista do projeto e acadêmica do 7º período de Biologia.

O trabalho tem como foco a cicatrização de feridas causadas pela Leishmaniose Cutânea. Segundo a docente que executa a pesquisa, professora Solranny, a lesão causada pela doença é de difícil recuperação. “Hoje, o tratamento que está disponível para a cicatrização dessas feridas é bastante agressivo. A partir dessa membrana, o tratamento poderá ser mais rápido, prático e mais barato”, explicou.

A membrana criada durante a pesquisa
A membrana criada durante a pesquisa

Testes e Resultados

Foram realizados testes com a membrana, In Vitro (em células queratinosas) e In Vivo (em microcrustáceos), a fim de descobrir sua toxidade. Os resultados comprovaram que a substância não é tóxica e que ela é biocompatível com os organismos testados; além disso, verificaram que ela auxilia para que não ocorra infecções secundárias.

Para a obtenção de mais resultados, a professora Solranny pontua que é necessário realizar etapas de testes em camundongos e ratos, para que mais comprovações de eficácia possam ser confirmadas.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Brasileira - PI
Atualizado às 06h17 - Fonte: Climatempo
27°
Poucas nuvens

Mín. 23° Máx. 34°

29° Sensação
18.9 km/h Vento
69.3% Umidade do ar
90% (2mm) Chance de chuva
Amanhã (25/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 35°

Sol e Chuva
Terça (26/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 36°

Sol com algumas nuvens
Ele1 - Criar site de notícias